sábado, 25 de fevereiro de 2012

PostHeaderIcon Filmow, a rede social dos cinéfilos


                                                                       Página inicial do(a) Filmow


Página de um filme





 

“Redes sociais” são espaços virtuais nos quais os usuários da Internet (rede mundial de computadores) criam perfis para interagirem entre si. No Brasil, durante muito tempo a rede social mais famosa foi o Orkut (aliás, os brasileiros chegaram a se tornar os principais usuários de tal espaço virtual no mundo inteiro); nos últimos tempos, porém, a febre “tupiniquim” chama-se Face Book (embora muitos dos que a ele aderiram não deletaram (apagaram) seus perfis no Orkut, apesar de terem-no deixado em segundo plano).

A popularidade das tais redes sociais foi/é mundial (excetuando-se os locais – remotos, penso eu – nos quais a Internet não é viabilizada), a ponto de em 2010 ter sido lançado um filme intitulado justamente “A rede social” (dirigido por David Fincher de “Clube da luta” e do atualmente em cartaz “Millenium – os homens que não amavam as mulheres”), o qual foi inclusive indicado ao Oscar em mais de uma categoria, foi elogiado pela crítica e fez boa bilheteria (em suma, destacou-se positivamente em várias frentes).

Quem costuma acessar este blog com freqüência já deve estar familiarizado ao meu padrão de escrita que sempre começa com uma introdução contextualizadora (por vezes demasiado extensa) e deve estar achando que a presente introdução se refere ao acima mencionado “A rede social”: ledo engano; na verdade eu ainda nem assisti este filme, mesmo sendo fã de Fincher (e apesar de ter me interessado, também não assisti ainda “Millenium”...). Antes que os mais afoitos principiem uma crise de ansiedade (apenas – evidentemente –, no caso de não terem lido o título deste texto) adentrarei no tema central desta postagem: trata-se da rede social chamada Filmow, dedicada aos cinéfilos. A descobri através de minha amiga Isabele “solipsista Tinuviel” Santos, embora tenha demorado muito tempo até aderir (meu perfil, evidentemente, tem um tanto de fake – em termos fora do “internetês significa que não uso meu nome ou foto –, de modo que se virem alguns perfil comum de minha pessoa, estejam certos que não sou eu, como ocorre no Face Book – não é mesmo, Sr. Aécio? ¬¬).

Tentando deixar minhas recorrentes delongas de lado e enveredar pelo aspecto objetivo da coisa, cabe apontar as características (objetivas, não custa repetir) do Filmow: seu diferencial em relação às demais redes sociais consiste na possibilidade de selecionar filmes cadastrados (e os não cadastrados podem sê-lo pelos usuários) e marcá-los como “já vi” (e neste caso é possível pôr o/s filme/s entre os favoritos); “não quero ver”; “quero ver”, atribuir nota (de uma a cinco estrelas) a eles; marcar ídolos, postar imagens e trocar recados com outros usuários; na realidade a Filmow (construída por dois brasileiros) se inspirou numa rede social dedicada à literatura chamada Skoob (suponho que pouco popular no Brasil, pois nunca ouvira falar dela, além de que brasileiro não lê hehehe), de modo que, a aqui apontada inovação do Filmow se refere apenas às redes sociais mais famosas no país (Orkut, Face Book, e Twitter, embora não esteja certo se este último pode ser chamado de rede social).

Outro aspecto interessante do Filmow consiste no fato dele contemplar também curtas metragem e seriados de TV. Além disso, como existe uma espécie de perfil de cada filme (informando nome, ano de produção, diretor, roteirista, atores, entre outras informações), podemos constatar qual o verdadeiro título em português, pois livros como “1001 filmes para ver antes de morrer” por vezes apresentam títulos em português que não são os verdadeiros (por exemplo, ao não encontrar o filme apresentado no livro com o título em português “Jogo mortal” [1972, dirigido por Joseph L. Mankiewicz], pesquisei pelo título original [“Sleuth”] e o encontrei com o título “Trama diabólica”) ou o título em português, quando um filme é mencionado apenas com o título original estrangeiro mas há tradução para o português brasileiro (caso do filme “Le chagrin et la pitié” [Marcel Ophüls, 1971], apresentado no livro acima mencionado apenas com o título original mas que ganhou a tradução nacional cujo título ficou sendo “A tristeza e a piedade”).

Por fim, cabe apontar algumas críticas: em primeiro lugar, achei as propagandas demasiado invasivas; tudo bem que no Orkut também as tem, mas neste achei-as mais discretas. Mas o pior é o perfil algo puritano do Filmow, pois se a mensagem “pôster indisponível” que aparece no lugar do cartaz de alguns filmes é – em minha opinião – aceitável, o mesmo não se pode dizer da ridícula mensagem “pôster impróprio” que substitui o cartaz de alguns outros filmes (e não são exatamente poucos, cabendo salientar não tratar-se aqui de nenhum filme pornô – pelo menos não aqueles aos quais aqui me refiro –, por exemplo, a versão de “O decameron” de Boccaccio, dirigido por Pier Paolo Pasolini, que é classificado no próprio Filmow como sendo comédia, romance!).

Em suma, sou da opinião de que o Filmow é uma ferramenta deveras interessante para cinéfilos e quiçá para aqueles que, mesmo não considerando-se sê-lo, são, de alguma forma cativados de maneira especial pela chamada sétima arte.

Dedico esta postagem a Isabele “solipsista Tinuviel” Santos, a “culpada” pela minha adesão ao Filmow.



Alberto Bezerra de Abreu, redigido durante o recluso carnaval de 2012, ao som do ventilador

About Me

Minha foto
Miradouro Cinematográfico
Alguém que escreve para viver, mas não vive para escrever; apaixonado pelas artes; misantropo humanista; intenso, efêmero e inconstante; sou aquele que pensa e que sente, que questiona e duvida, que escapa a si mesmo e aos outros. Sou o devir =)
Visualizar meu perfil completo

Search

Carregando...
Tecnologia do Blogger.

Seguidores